Resenha: Um Amor Incômodo – Elena Ferrante

Ficha Técnica
Título: Um Amor Incômodo
Autora: Elena Ferrante
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 176
Gênero: Drama/Suspense
Nota: 🌟🌟🌟🌟

SINOPSE

Uma história perversa e delicada sobre mãe e filha unidas por um complicado nó de mentiras e emoções.

Aos quarenta e cinco anos, Delia retorna a sua cidade natal, Nápoles, na Itália, para enterrar a mãe, Amalia, encontrada morta numa praia em circunstâncias suspeitas: a humilde costureira, que se acostumou a esconder a beleza com peças simples e sem graça, usava nada além de um sutiã caro no momento da morte.

Revelações perturbadoras a respeito dos últimos dias de Amalia impelem Delia a descobrir a verdade por trás do trágico acontecimento. Avançando pelas ruas caóticas e sufocantes de sua infância, a filha vai confrontar os três homens que figuraram de forma proeminente no passado de sua mãe: o irmão irascível de Amalia, conhecido por lançar insultos indistintamente a conhecidos e estranhos; o ex-marido, pai de Delia, um pintor medíocre que não se importava em desrespeitar a esposa em público; e Caserta, uma figura sombria e lasciva, cujo casamento nunca o impediu de cortejar outras mulheres.

Na mistura desorientadora de fantasia e realidade suscitada pelas emoções que vêm à tona dessa investigação, Delia se vê obrigada a reviver um passado cuja crueza ganha contornos vívidos na prosa elegante de Elena Ferrante.


RESENHA

“Quando entramos na casa de uma pessoa morta recentemente, é difícil acreditar que esteja deserta. As casas não guardam fantasmas, mas retêm os efeitos das últimas ações em vida.”

Começo essa resenha falando que o livro não é de uma leitura fácil, mas que também não é tão difícil assim. Porém isso se deve ao fato desse ser meu primeiro livro da autora e eu não saber ao certo como era a escrita da mesma.

Embora sendo um livro curto, demorei 3 dias para ler esse livro. A escrita tem seus momentos que faz você querer saber o que vai acontecer e por vezes, nem tanto.

Apesar disso, o livro carrega consigo uma narrativa de reflexão profunda, além de retratar vários temas em tão poucas páginas.

O livro retrata uma relação de mãe e filha, onde a mãe não demonstra tanto amor é atenção quanto deveria dar, e também a necessidade de Delia querer essa atenção e ao mesmo tempo não querendo.

“Eu tinha visto sangue entre gritos e insultos. Fantasmas sobre fantasmas. Antonio, o menino que segurava minha mão, tinha ido parar no fundo mais escuro do porão. Senti por um instante a violência doméstica da minha infância e adolescência voltar aos meus olhos e ouvidos como se escorresse ao longo de um fio que nos ligava. Mas percebi pela primeira vez naquele instante, tantos anos mais tarde, que era o que eu queria.”

Machismo, violência doméstica, culpa feminina são outros temas tratados nesse livro, e de uma forma muito bem trabalhada.

É bem explícito que nesse livro o relacionamento abusivo abordado nele. Aqui é mostrada figura autoritária do homem e uso de violência física e psicológica contra a mulher e fazendo com que a mesma se sinta culpada por ele fazer isso com ela.

Apesar do livro mostrar Delia em busca de desvendar o que aconteceu na morte de sua mãe, o livro mostra muito do passado e isso é ótimo, pois assim o leitor fica sabendo mais sobre a vida de Delia e Amalia.

Mesmo sendo um livro publicado originalmente em 1992, Um Amor Incômodo ainda é super atual, mostrando todo o abuso que é sofrido pelas mulheres todos os dias e o que algumas mulheres sofrem em seus lares.

O livro traz muitas partes incômodas para as pessoas que não estão acostumada com esse tipo de temática, então se você acha que relacionamento abusivo é um gatilho, aconselho passar longe desse livro.

Surpreendente, emocionante e com uma grande crítica social, Um Amor Incômodo é um livro que sabe abordar diversos temas sem romantizá-los.

Li esse livro para cumprir a categoria “Livro que se passe em um lugar que você quer conhecer” do desafio #DLL2020 e tambem do #Desafioleiturasatnoon2020 na categoria “Um livro que aborde relacionamento abusivo”.

Resenha: Para Todos Os Garotos Que Já Amei – Jenny Han

Ficha técnica
Título: Para Todos Os Garotos Que Já Amei
Autora: Jenny Han
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 320
Gênero: Romance/ YA
Nota: 🌟🌟🌟🌟

SINOPSE

Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos.

Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar.


RESENHA

“Você sabe como é gostar tanto de alguém que é insuportável saber que essa pessoa nunca vai sentir a mesma coisa por você? Provavelmente não. Pessoas como você não precisam sofrer por esse tipo de coisa.”

Fazia tempo que não lia um romance young adult, e amei a experiência que tive lendo esse livro.

Já tinha vontade de ler esse livro há algum tempo, mas acabei assistindo primeiro o filme. Adorei o filme, e pela primeira vez em minha vida, achei o filme melhor que o livro. Deixarei para fazer um comparativo no mês que vem.

Para Todos Os Garotos Que Já Amei é um livro fofo e com um clichê que amo: contrato de relacionamento de duas pessoas que não se gostam e depois acabam se gostando.

“É nessa hora que o vejo. Peter Kavinsky está andando pelo corredor. Como mágica. O lindo Peter de cabelo escuro. Ele merece uma trilha sonora, de tão lindo que é.”

A narrativa é super fluída, e acredito que os capítulos curtos contribuíram para isso. Além disso, o livro é narrado em primeira pessoa, coisa que amo em livros de romance.

Jenny Han conseguiu criar personagens cativantes e alguns que dão raiva em alguns momentos.

O Peter é um personagem cheio de si, e isso me irritou muitas vezes. Além de que ele é um capacho da Gen. Sempre que ela chama, mesmo eles tendo terminado, ele atende o chamado.

“É estranho ter passado tanto tempo desejando uma coisa, uma pessoa, e de repente isso parar.”

A amizade da Lara Jean com o Josh é a coisa mais linda, e é bem explorada no livro.

Algumas partes achei meio desnecessárias, como a Lara Jean escolhendo qual seria o jantar (e Outras refeições da família), como Margô saberia o que fazer nessas refeições e mais algumas coisinhas. É suportável? Sim. É desnecessária para a história? Com certeza.

Mas no geral é um livro bem legal. Ótimo para curar a ressaca e perfeito para adolescentes (que é o público a quem o livro foi destinado), e sem falar que tem referências literárias.

Decepções amorosas, primeiro beijo, amores que vem, essas são algumas das coisas que o livro aborda de uma forma sutil e bem trabalhada.

Li esse livro para cumprir a categoria Livro que virou filme do Desafio Literário do Igs Irmãos, #DL2020IgsIrmãos, lá do Instagram.

Resenha: A Grande Missão – Flávio Colombini

Ficha técnica
Título: A Grande Missão
Autor: Flávio Colombini
Número de páginas: 116
Nota: 4 🌟

SINOPSE

No dia do aniversário de Eduardo, sua mãe é misteriosamente sequestrada. O menino passa a receber ligações do sequestrador, que o manda cumprir diversas missões malucas e perigosas que incluem roubos, fugas, beijos, brigas e muito mais. Se Edu não completar cada um de seus desafios, sua mãe irá morrer.
A Grande Missão é uma história repleta de ação, suspense, romance e aventura, que irá prender sua atenção da primeira até a última página.


RESENHA

“Eu e meus colegas sequestrados sua mãe. Agora você você vai fazer o que eu disser, se não ela morre, cê tá me ouvindo?”

Eu amo livros infanto-juvenis, e esse foi uma grande surpresa.

O livro traz uma linguagem simples, levando em conta ao público a quem ele foi escrito, e isso pode não agradar muitos as pessoas adultas que não estão acostumadas. Por vezes parece um pouco bobo, mas traz consigo uma mensagem linda para as crianças e para os adultos também.

A narrativa é em terceira pessoa e a todo instante você torce para o Edu se dar bem na missão que o sequestrador da sua mãe lhe impõe. Até porque é pra salvar a vida da mãe dele, então ele está disposto a tudo.

“Preferia o risco de ser pego e expulso da escola, ao risco de desagradar os sequestradores e perder sua mãe.”

Essa perseverança dele, e a ajuda de uma colega para que ele conseguisse alcançar os objetivos, achei a coisa mais linda.

Uma parte não me agradou, e esse foi o motivo de eu estar dando quatro estrelas e não cinco. Não posso falar qual é a parte senão será spoiler.

Suspense, perseverança, descobrimento de si mesmo, essas são as palavras que resumem bem esse livro. Um livro que passa uma mensagem linda e que deve ser lido por todos.

Li esse livro para cumprir a categoria Livro de Autor Independente do Desafio Literário do Igs Irmãos, #DL2020IgsIrmãos, lá do Instagram.

Resenha: Vozes – Jéssica Dias

Ficha técnica

Título: Vozes
Autora: Jéssica Dias
Número de páginas: 26
Gênero: Suspense/Terror
Nota: 🌟🌟🌟🌟

Sinopse: Quando sussurros sopram em seu ouvido, você tem duas opções: ignorá-los ou dar-lhes atenção. Muitos beiram à loucura, outros os enterram no canto mais profundo de sua alma, mas há aqueles que abraçam a obsessão como se fosse uma amiga íntima.

Cuidado ao olhar pela janela à noite. Você pode estar sendo vigiado. Você pode estar sendo perseguido. Você pode ser vítima da obsessão.


Resenha

✞✞Entrei em meu carro e segui pelo mesmo caminho que você tomava. Graças a Deus não tinha trânsito naquele momento e foi fácil te alcançar. Tudo estava colaborando para que nossos caminhos se cruzassem.✞✞

Vozes é o primeiro conto publicado da Jéssica do Instagram literário Um Livro e Um Vinho, e nem parece ser que foi a primeira obra que ela escreveu.

O conto é muito bem escrito. Escrito em primeira pessoa, Vozes faz uso do narrador anônimo, então não sabemos quais são os nomes das personagens. O que me agradou imensamente, já que me lembrou um pouco do modo como Edgar Allan Poe narra a maioria dos seus contos.

✞✞”Chama ela para sair…”. Eu ouvi a minha consciência sussurrar ao meu ouvido. “Ela também quer estar com você”.✞✞

A psicopatia e a esquizofrenia são bem exposta aqui. Podemos adentrar na mente de um esquizofrênico de uma forma que nunca vi ser abordada.

Sua obsessão pela moça da história é surreal. O narrador acha que só porque a moça olhou para ele, ela estava apaixonada e eles já eram namorados.

✞✞Mas meu corpo ainda precisava de você, cada pedacinho de você. Você é minha, será minha. De um jeito ou de outro.✞✞

Fica claro também o lado psicopata dele. Psicopatas são organizados, e nosso narrador é assim. Ele é minucioso em toda decisão e em todas as suas ações. Claro, eles faz algumas loucuras em sua obsessão pela moça, mas acredito que é o lado esquizofrênico que faz isso.

Incrível como a Jéssica fez em poucas páginas um conto completo, mas que faz você querer mais.

Loucura, obsessão, sangue e um final aterrador, Vozes mostra a estreia de Jéssica Dias de uma forma espetacular.

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora